sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Eu me amo.......

Amo ver as pessoas felizes! E claro, mais ainda quem Amamos (mas não amamos todos?). Deveria ser assim, talvez seja, mas e qualquer forma, alguns Amamos mais que outros), lembrei de uma palestra que fiz em uma empresa em Caxias/RS; nela, num certo momento perguntei às pessoas: quem é o Ser que cada um/a de vocês mais Ama no mundo? E nenhuma delas respondeu "EU". Ou era a mãe/pai, ou o filho/a, ou o marido/mulher. Ninguém se amava mais que outro alguém! Louco isso, e essa lição ficou tão profundamente arraigada em mim, Racional/Emocionalmente, que desde então esta tem sido a minha guerra pessoal, meu desafio; fazer por mim como o Ser mais importante de minha historia, o melhor! Conseguir atingir as metas, alcançar os propósitos, por Eu ser, senão a pessoa mais importante de minha Vida, aquela que é fundamental para que essa historia exista e tenha significado! Não consegui! Infelizmente nunca eu fui para mim o Ser Amado e Importante! E a minha primeira afirmação deste texto parece (e talvez seja) falsa! Amo ver as pessoas felizes, e sempre, sempre, me esmerei, sempre fiz tudo para que isso fosse real! Menos comigo, menos com eu e Eu, sozinho. Que triste! Nos últimos anos, as pessoas que me conheceram, não me conheceram. Nem arranharam o que Eu sou. De Bom e de Mal. Nos últimos anos, as pessoas que me conheceram, conheceram, um Ser em frangalhos, fraco, corroído, fraco, fracassado e cheio de auto-piedade. Nem um arremedo daquele Washington, forte, inteligente, decidido e dedicado, que foi Gerente da CEF aos 25, que trabalhou na Petrobrás durante 12 anos, (e que foi vice-presidente durante três mandatos do Sindicato, que fez parte da Comissão de Cargos e Salários que definiu o PCCS, filiado e militante do PT e CUT) sempre por concurso, sempre passando de forma lícita (e antes disso na Engesa e outras empresas, mal sabem que minha CTPS foi assinada a primeira vez aos 12 anos de idade). E daí? Nos últimos anos, as pessoas que me conheceram, não conheceram um Washington que fez cinco vestibulares e passou nos cinco, sendo dois em PRIMEIRO lugar. E daí? Que teve casa, mulher, filhos e netos. Carro, computador, plano de saúde, dinheiro, cartão de crédito Visa Gold e Mastercard, cheque especial e que ganhou um salário mensal que a soma de tudo que ganhei nos últimos três anos, talvez, não chegue ao que eu ganhava no mês. E daí?! E daí! Não é essa a minha realidade hoje, das cinco Universidades que entrei; uma de Economia, uma de Biologia, uma de Pedagogia e duas de Filosofia, qual delas terminei? Sonho em terminar Filosofia na UFSC. Será que consigo? Fora isso, eu fiz vários, mas vários, cursos de especialização em informática, de banco de dados Oracle a Web designer (fora os cursos da Microsoft). E fora os de Terapeuta; Mestre Reiki (três Mestrados), Terapeuta Floral pelo Bach Centre (grato Carmem Monari), Aromaterapeuta, Renascedor Profissional (Leonard Orr e Ronald Fuchs), Mestre Seichim com o Patrick. E daí? Profissional em DQ pelo Hospital Mãe de Deus em POA e pela UNIFESP/SP. E daí? Das mulheres que tive, qual dela está comigo hoje? Das casas que construí ou comprei, em qual eu moro? Dos meus filhos, qual realmente me Ama e Respeita pelo Ser que sou ou fui? Das netas e netos que tenho, seis/cinco, três meninas e dois meninos, quantos eu conheço pessoalmente? (respondo, apenas a primeira, Laiza). As outras duas meninas, que Amo também, Duda e Mariana, (as três da minha primeira filha, Wanessa) nunca encontrei! O Nicolas (da Julia, minha Princesinha, a mais nova), o João, da linda Flávia, mulher do meu filho Guilherme, o primeiro dos homens, o Murilo do Guilherme e Flávia. Seis! E conheço uma, apenas uma. Será que terei tempos para as outras? Para os outros? E daí? Hoje, não desejo estar em auto-piedade, nada! Não tenho nada! Minha saúde (claro, também pelos excessos que cometi) está um caos. Minha visão cada vez pior, preciso de cirurgia, detectada a necessidade em outubro de 2010, e nada! Meus dentes irão (estão!) cair e apesar de (como no caso da visão) estar em uma Universidade Federal não consigo resolver. Engraçado, quando adolescente, toda minha família admirava minha dentição. Perfeita! Dentes claros, com distância correta entre dentes, sem cáries. Nunca! Mas nunca em minha vida imaginei a possibilidade de ficar sem dentes. Banguela! Nunca! E ei que aos 54 anos, novo, novo pelos padrões atuais, Eu, Washington, não consigo ler, uma das coisas que, mas fiz e mais gostei na vida. Hehehehe, e isso em curso de Filosofia, onde ler é fundamental (vai para dois anos esse desespero, já fiz, creio, todos os pré-operatórios e nada...), cada vez enxergo menos. Engraçado, três semestres perdidos por isso e pelo jeito vai o quarto. E pior, agora, se eu ficar sem dentes, na frente, acham vocês, que estão lendo isso, que eu vou aparecer socialmente? hehehehe, me erra! Ouço nesse momento o Raul: "Sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonho, mas sonho que sonha junto é realidade". Orra, melhor definição que essa para tudo que escrevi antes? Caraca! As horas passam! Os dias passam! As semanas passam! Os meses passam! De novembro/2011, quando fiz a medição da lente que seria implantada nos meus olhos, e quando eu fiz a avaliação no Departamento de Odontologia da UFSC (a primeira vez em 2009!!!!!!!!), nada, nada, aconteceu! Eu não aguento mais isso, essa dependência, esse espera do funcionamento de uma maquina engessada, onde as coisas não tem uma sequencia lógica. O que é uma sequencia lógica? Ora, toda vez que eu precisei de atendimento hospitalar, de cirurgia, e de exames relacionados, eu tive um encadeamento objetivo, saia da sala do médico, com os pedidos de exames, já marcados, definidos, determinados. As coisas ocorriam numa lógica, lógica! Hehehe. Bobagem? Besteira? Exigência? Ora, não venham me dizer que isso ocorria, que isso funcionava, por eu ter convênios médicos de EMPRESAS (do governo federal) como a CEF e a Petrobrás? Caralho!!!!!! Desculpem o palavrão, mas foi impossível segurar. Caíram-me fichas agora, orelhão, e o caralho! Uma vez eu achei que alguns avanços que tínhamos eram por sermos categoria guerreira, batalhadora e que arriscava. kkkkkkkkkkkkkk, que piada!!!!!!! De mau gosto e de mal gosto! O sequencial a que me referi acima não pode, NÃO PODE, ter nada haver com direitos, conquistas ou regalias. De nenhuma "catigoria" (como diziam alguns líderes sindicais), tive que chegar onde cheguei, invertendo o natural encaminhamento das coisas, de estudante a trabalhador, para; de trabalhador, militante sindical e partidário para estudante, povo, sem expressão política, ideológica ou partidária, (entendendo que ideológico contém o capitalismo e o apego ao poder...). A sequencia a que me refiro acima tem haver com Humanidade! Com Medicina Real! Com as necessidades de alguém que necessita, repito, NECESSITA, de um atendimento para melhorar sua saúde que não dependa de quanto dinheiro ele tem no bolso naquele momento, ou se tem como assinar um cheque caução ou um recibo de cartão de crédito, exatamente no momento onde só se precisa de atendimento, atenção, Médica e Humanitária. Eu estou com um misto de sentimentos, explico: ao mesmo tempo eu estou com muita vergonha, de não ser aquilo que os planos de saúde e os médicos e a sociedade esperam que eu seja! (e minha família e meus amigos e a UFSC, e a minha terapeuta, eu mesmo...). Por outro uma revolta enorme, de ver uma engrenagem emperrada, arbitrária e dinheirista. Os médicos que me perdoem, mas a maioria de vocês é um lixo! Eu NUNCA!, nunca deixei de atender ninguém por falta de dinheiro. Errei? E aí eu penso, se como parte dessa engrenagem, como aluno da UFSC, eu tenho esse (para mim) descaso, imagina o "povo"... hehehe Sinceramente? Não sei o que fazer! Não mesmo, e eu estou muito, mas muito cansado. Perdi a Fé! Em tudo, nas instituições, no governo que ajudei eleger, nos amigos que esperam que a gente seja mais forte do que realmente somos (é fácil julgar), e em algo que eu achei que existia acima de tudo isso. Estou vazio, vago, oco! Falta uma parte em mim, e eu não sei se terei tempo de Ser inteiro novamente! Washington - 16/02/12 - Florianópolis/SC

2 comentários:

Washington Yohan disse...

sabe, se existe uma coisa em que creio ainda é que a verdade me liberta! Fui livre e verdadeiro. Amanhã? Sei lá se existe! Talvez seja esse o problema, não creio ou melhor não me importo se creio no amanhã, ou seja não imputo "vida" ao dia que chegará. Mas dou tanta vida ao ontem! Há disfunção, um desequilibro nisso, e é muito, mas muito difícil lidar.

Washington Yohan disse...

São coisas que me chamam a atenção, exemplo; escrever achando que aquilo é apenas par alivio dos vulcões interiores, escrever me ajuda a despressurizar, sim, sim eu sei que apesar de ser para mim, espero, sempre espero que alguém leia com a importância que é devida a uma exposição de uma Alma. Humanamente eu desejo que me concedam a devida atenção. Não significa isso que tenha que ser atendido em minhas espectivas e/ou necessidades. Significa unicamente que eu desejo que me concedam a atenção mínima para que eu me reconheça momo um ser que é o que sou. Mas ao mesmo tempo, hehehe, engraçado, espero que o que escrevo ou exprimo, não preocupe ou abale ninguém! E quando isso ocorre eu tenho, mas tenho que dizer: obrigado Amiga, que apesar de eu achar que ninguém ia ler, você leu, e você se preocupou, e eu agradeço por isso, não esperava uma ligação sua e não esperava uma ligação sua na hora que ocorreu. GRATO, por se importar, por achar que eu mereço sua atenção e preocupação, mesmo nesse momento que você Clarice Iomara passa, esse momento difícil, de perda de alguém querido como é sua perda. Estranho como certas coisas ocorrem; tu e o Vinicius Edgar perderam as avós nesses dias, e foi ele, Vini e você Clarice, que dispensaram um tempo de atenção e carinho para esse cara que escreve e queria escrever melhor. Por isso eu digo: Minha Gratidão é Grande! Grato a vocês! Isso é Amor, da forma que eu entendo! E da forma que eu entendo, isso bastaria para mudar o mundo, para muito, mas muito melhor! Grato!